Tecnologias e Cuidados – Entrevista Glauco Splendore

Com o objetivo de preservar ainda mais a integridade dos usuários, as empresas que prestam o serviço indicam aos clientes determinadas medidas de prevenção

 

 

 

A primeira e o mais importante delas é que o motorista tome consciência de que a blindagem somente serve para a segurança nas ruas, durante o transporte de um ponto a outro, garantindo certo tempo de fuga em caso de tentativa de assalto. Assim. é eliminada a possibilidade de lesão corporal abala e em ataques a mão armada. Isso não significa, porém; em hipótese alguma, que o cliente possa “provocar” o ladrão por estar dentro de uma estrutura resistente a tiros.

“Ao perceber o assalto. o motorista deve tentar fugir imediatamente, como se estivesse em um veículo não blindado, e procurar um local seguro ou entrar em contato com a polícia mais próxima”. comenta Glauco Splendore

 

Glauco Splendore, sócio diretor da GS Security. Na sua opinião, a blindagem particular é apenas uma parte de um conjunto de segurança. “O sistema requer esta conscientização; se o cliente achar necessário, conforme suas condições financeiras, o ideal é contratar guarda-costas por exemplo”, diz.

 

Por tratar-se de um mercado relativamente novo, a blindagem particular não possui ainda um órgão fiscalizador oficial no Brasil. As empresas brasileiras do ramo, no entanto, seguem as normas internacionais NIJ C108.01, norte americana DIN 52.290-C2, da Alemanha, com os padrões European Standart Underwnters Laboratories (UL) e British Standart.

 

Por outro lado, os veículos de transportes de valores são regulamentados pelo Exército. Em termos de tecnologias para carros-fortes, que utilizam blindagem nível 5, a mais poderosa, praticamente não há novidades Segundo Nelson Roberto Dias, gerente de manutenção da transportadora de valores Protege, espessas latarias de grosa espessura continuam resistindo ás metralhadoras e fuzis. A5-15 mais utilizados pelos bandidos. Houve um caso, No Rio de Janeiro, em que marginais até tentaram arrombar o carro usando explosivos, sem sucesso “A mercadoria” que eles querem sai danificada”, comenta.

 

Fonte: Pires Blindagens
Entrevista Glauco Splendore